Quinta-feira, 6 de Setembro de 2007

Venus in Furs

The Velvet Underground and Nico_
(The Velvet Underground, 1967)

written by Lou Reed



Shiny shiny, shiny boots of leather
whiplash girlchild in the dark
Comes in bells, your servant, don't forsake him
strike dear mistress and cure his heart

Downy sins of streetlight fancies
chase the costumes she shall wear
Ermine furs adorn imperious
Severin, Severin awaits you there

I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
different colors made of tears

Kiss the boot of shiny shiny leather
shiny leather in the dark
Tongue of thongs, the belt that does await you
strike dear mistress and cure his heart

Severin, Severin, speak so slightly
Severin, down on your bended knee
Taste the whip, in love not given lightly
taste the whip, now bleed for me

I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
different colors made of tears

Shiny shiny, shiny boots of leather
whiplash girlchild in the dark
Severin your servant, comes in bells
please don't forsake him
strike dear mistress and cure his heart
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 06:34
link do post | favorito

I'll be Your Mirror

The Velvet Underground and Nico_
(The Velvet Underground, 1967)

written by Lou Reed



I'll be your mirror
reflect what you are, in case you don't know
I'll be the wind, the rain and the sunset
the light on your door to show that you're home

When you think the night has seen your mind
that inside you're twisted and unkind
Let me stand to show that you are blind
Please put down your hands
'cause I see you

I find it hard
to believe you don't know, the beauty you are
But if you don't, let me be your eyes
a hand to your darkness, so you won't be afraid

When you think the night has seen your mind
that inside you're twisted and unkind
Let me stand to show that you are blind
Please put down your hands
'cause I see you

I'll be your mirror (reflect what you are)
I'll be your mirror (reflect what you are)
I'll be your mirror (reflect what you are)
I'll be your mirror (reflect what you are)
I'll be your mirror (reflect what you are)
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 06:32
link do post | favorito

Femme Fatale

The Velvet Underground and Nico_
(The Velvet Underground, 1967)

written by Lou Reed



Here she comes
you'd better watch your step
She's going to break your heart in two
it's true

It's not hard to realize
just look into her false colored eyes
She'll build you up to just put you down
what a clown

'Cause everybody knows
(she's a femme fatale)
the things she does to please
(she's a femme fatale)
She's just a little tease
(she's a femme fatale)
See the way she walks
hear the way she talks

You're written in her book
you're number 37, have a look
She's going to smile to make you frown
what a clown

Little boy, she's from the street
before you start you're already beat
She's going to play you for a fool
yes it's true

'Cause everybody knows
(she's a femme fatale)
the things she does to please
(she's a femme fatale)
She's just a little tease
(she's a femme fatale)
See the way she walks
hear the way she talks

'Cause everybody knows
(she's a femme fatale)
the things she does to please
(she's a femme fatale)
She's just a little tease
(she's a femme fatale)
Oh wow woh
(she's a femme fatale)
oh wow woh
(she's a femme fatale)
Oh wow woh
(she's a femme fatale)
oh wow woh
(she's a femme fatale)
...
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 06:29
link do post | favorito

Sex Pistols

PRETTY VACANT
There's no point in asking you'll get no reply
Oh just remember I don't decide
I got no reason it's too all much
You'll always find us out to lunch

Oh we're so pretty
Oh so pretty we're vacant
Oh we're so pretty
Oh so pretty
A vacant

Don't ask us to attend 'cos we're not all there
Oh don't pretend 'cos I don't care
I don't believe illusions 'cos too much is real
So stop you're cheap comment 'cos we know what we feel

Oh we're so pretty
Oh so pretty we're vacant
Oh we're so pretty
Oh so pretty we're vacant
Ah but now and we don't care

There's no point in asking you'll get no reply
Oh just remember a don't decide
I got no reason it's too all much
You'll always find me out to lunch
We're out on lunch

Oh we're so pretty
Oh so pretty we're vacant
Oh we're so pretty
Oh so pretty we're vacant
Oh we're so pretty
Oh so pretty ah
But now and we don't care

We're pretty
A pretty vacant
We're pretty
A pretty vacant
We're pretty
A pretty vacant
We're pretty
A pretty vacant

And we don't care
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 06:18
link do post | favorito
Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

Love Will Tear Us Apart

Love Will Tear Us Apart Lyrics
Joy Division

When routine bites hard,
And ambitions are low,
And resentment rides high,
But emotions won't grow,
And we're changing our ways,
Taking different roads.

Then love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.

Why is the bedroom so cold?
You've turned away on your side.
Is my timing that flawed?
Our respect runs so dry.
Yet there's still this appeal
That we've kept through our lives.

But love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.

You cry out in your sleep,
All my failings exposed.
And there's a taste in my mouth,
As desperation takes hold.
Just that something so good
Just can't function no more.

But love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.
Love, love will tear us apart again.
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 12:52
link do post | favorito

Heart and Soul

Heart And Soul Lyrics
Joy Division


Instincts that can still betray us,
A journey that leads to the sun,
Soulless and bent on destruction,
A struggle between right and wrong.
You take my place in the showdown,
I'll observe with a pitiful eye,
I'd humbly ask for forgiveness,
A request well beyond you and I.

Heart and soul, one will burn.
Heart and soul, one will burn.

An abyss that laughs at creation,
A circus complete with all fools,
Foundations that lasted the ages,
Then ripped apart at their roots.
Beyond all this good is the terror,
The grip of a mercenary hand,
When savagery turns all good reason,
There's no turning back, no last stand.

Heart and soul, one will burn.
Heart and soul, one will burn.

Existence well what does it matter?
I exist on the best terms I can.
The past is now part of my future,
The present is well out of hand.
The present is well out of hand.

Heart and soul, one will burn.
Heart and soul, one will burn.
One will burn, one will burn.
Heart and soul, one will burn.
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 12:49
link do post | favorito

Colony

Colony Lyrics
Joy Division


A cry for help, a hint of anaesthesia,
The sound from broken homes,
We used to always meet here.
As he lays asleep, she takes him in her arms,
Some things I have to do, but I don't mean you harm.

A worried parent's glance, a kiss, a last goodbye,
Hands him the bag she packed, the tears she tries to hide,
A cruel wind that bows down to our lunacy,
And leaves him standing cold here in this colony.

I can't see why all these confrontations,
I can't see why all these dislocations,
No family life, this makes me feel uneasy,
Stood alone here in this colony.
In this colony, in this colony, in this colony, in this colony.

Dear God in his wisdom took you by the hand,
God in his wisdom made you understand.
God in his wisdom took you by the hand,
God in his wisdom made you understand.
God in his wisdom took you by the hand,
God in his wisdom made you understand.
God in his wisdom took you by the hand,
God in his wisdom made you understand.
In this colony, in this colony, in this colony, in this colony.
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 12:48
link do post | favorito

Kirov

The Mariinsky Ballet Company is closely linked with the entire history of the development of Russian choreographic art which has begun some 250 years ago. Since 1783 the company performed at the stage of the St Petersburg Bolshoy (Stone) Theatre and from 1885 onwards the ballet productions have been staged at the Mariinsky Theatre.

The leading role in the establishment and evolution of the Russian ballet belonged to foreign masters. At the end of the 18th century active in st Petersburg were Franz Gilferding, Gasparo Angiolini, Giuseppe Canziani and Charles le Picqué. But already in the 1790s the first Russian ballet teacher, Ivan Valberkh, became prominent. The main sphere of his activities was a small mime ballet company. He sought to make his productions rich in subject matter and to create recognizable lifelike images. A special place in his work was occupied by ballet divertissements which reflected his responses to the events of the War against Napoleon. The history of the St Petersburg ballet in the 19th century was associated with the activities of Charles Didelot, Jules Perrot, and Arthur Saint-Léon. In 1869 the position of the principal ballet master was entrusted to Marius Petipa who markedly raised the professional standards of the company. The peak accomplishment of this famous master became ballets staged in the period of his collaboration with the composers Pyotr Tchaikovsky and Alexander Glazunov – The Sleeping Beauty, Swan Lake and Raymonda. The talents of many generations of ballerinas have been revealed in them – from Yekaterina Vyazem, Marina Semenova and Galina Ulanova to younger dancers who are just fledging on the Mariinsky stage.

At the turn of the 19th and 20th century the Mariinsky Ballet Company yielded to the world of ballet such great dancers as Anna Pavlova, Mathilde Kschessinska, Tamara Karsavina, Olga Preobrazhenskaya, Olga Spesivtseva, Vaslav Nijinsky, Nikolai and Sergei Legat. Many of them glorified the Russian ballet during the legendary Saisons Russes in Paris which familiarized Europe with pioneering works by Michele Fokine. The years after the revolution were a difficult period for the Mariinsky Theatre. Almost all its leading artists abandoned the company. Nevertheless during these years the classical repertory was retained. And in 1922 when at the head of the company was put Fyodor Lopukhov, a daring innovator and a brilliant connoisseur of the past, its repertory was enriched with new productions, in particular ballets dealing with contemporary life. It was during those years that Galina Ulanova, Alexei Yermolayev, Marina Semenova, Vakhtang Chibukiani, Alla Shelest and many other future celebrities of the St Petersburg ballet came to the company

The 1960s saw the staging of Spartacus and Choreographic Miniatures by Leonid Lavrovsky, the productions of The Stone Flower and The Legend of Love by Yury Grigorovich as well as The Coast of Hope and The Leningrad Symphony by Igor Belsky – the ballets which revived the traditions of symphonic dances. The success of these productions would obviously be impossible without superb performers. During the period of the 1950s – 1970s among the dancers of the company were Irina Kolpakova, Natalia Makarova, Alla Osipenko, Irina Gensler, Alla Sizova, Rydolph Nureyev, Mikhail Baryshnikov, Valery Panov, Yury Solovyev and Anatoly Sapogov.

Towards the end of the 1970s in the repertory of the company appeared Le Sylfide and Naples by Auguste Bournonville, fragments of ancient choreography by Perrot, Saint-Léon and Coralli. Roland Petit and Maurice Béjart came to work for some time with the company. The Tudor Foundation gave rights for the ballets Lilac Garden and Leaves Are Fading. Jerome Robbins staged in the Mariinsky the ballet In the Night.

It was in 1989 that the Mariinsky Theatre first staged ballets by outstanding choreographer George Balanchine, who began his career in Petersburg. The next decade saw the theatre´s repertoire enriched with productions of the leading choreographers of the mid 20th century to the early 21st century: Kenneth MacMillan´s Manon and John Neumeier´s Now and Then and Spring and Fall. Specially for the Mariinsky Theatre Neumeier staged Sounds of Empty Pages to music by Alfred Schnittke.

These years also saw intense work to restore Marius Petipa´s The Sleeping Beauty and La Bayadиre, both highly acclaimed in the international press.

Petersburg premieres also include Etudes (choreography by Harald Lander), two ballets by Stravinsky – Bronislava Nijinska´s Les Noces and Vaslav Nijinsky´s Le Sacre du printemps – and ballets by William Forsythe.

The number of world premieres has grown too, with Alexei Ratmansky´s staging of Cinderella and The Nutcracker and The Magic Nut (music by Sergei Slonimsky, libretto, sets, costumes and production design by Mihail Chemiakin and choreography by Donvena Pandoursky), the latter two together comprising "Chemiakin´s Hoffman".
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 11:39
link do post | favorito

Revista da Dança

Pessoa na respiração dos corpos
Enquanto se fingia a manutenção de certos valores estéticos, Fernando Pessoa (1888–1935) apreende na sua obra incertezas e inquietações que se manifestavam nos espíritos iludidos. Talvez por essa e muitas outras premissas, o expressivo e algo misterioso "universo" literário, daquele que é por muitos considerado um dos maiores poetas do século vinte, tem sido um campo a explorar nas artes portuguesas... e não só! Apenas em 1942, e após a sua morte, quanto Adolfo Casais Monteiro organiza uma antologia em dois volumes da sua obra, é que Luís de Montalvor e João Gaspar Simões iniciam a publicação das suas "Obras Completas" em onze volumes. Assim, o autor de "Mensagem" (publicada em 1934) faz sentir a sua influência, tornando-se a principal figura das tendências modernistas portuguesas. A sua obra revela, de forma justa, a desagregação das "velhas certezas" demonstrando o vazio que adquirira a veracidade. Reminescente da tradição dramática, Pessoa disseca o seu sentir e pensar, sob a forma dos seus 19 heterónimos, de diversas nacionalidades e culturas, ("Fernando Pessoa, Sixty Portuguese Poems", de F. Quintanilha editado pela University of Wales Press, 1973) demonstrando o seu génio, para além das suas faculdades poéticas, na procura da coerência do indivíduo, na inquietação decorrente dos mistérios do universo e numa peculiar visão da heróica história dos Portugueses. No que diz respeito à dança, a sua obra tem sido fonte de inspiração para coreógrafos nacionais e estrangeiros que têm vindo a apresentar alguns trabalhos com interesse, tendo em conta o propósito que abraçaram. Nos anos 60, Águeda Sena, que terá sido a primeira artista da dança a debruçar-se sobre o "enigma pessoano", traz à jovem televisão Portuguesa (RTP) o projecto "Poesia em Movimento". Do conjunto de 25 poetas a que, então, pretendia dar relevo, consegue que dez poemas sejam, após acertos forçados, aprovados pela Censura para exibição pública. Nessa dezena de poemas/programas, encontramos um dedicado ao heterónimo Alberto Caeiro, o qual ecoa num espaço amplo enquanto os corpos viajam nas palavras e as exprimem como se as encarnassem. Todo o projecto teve um enorme impacto na altura, o que revelou, cabalmente, a visão artística da coreógrafa e a actualidade e importância do autor. Nos anos 80, com obras como "Mar Sem Fim" – apresentada por um grupo carioca, o Estúdio Lurdes Bastos, no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian e sem grande impacto (não se encontraram quaisquer críticas do espectáculo na imprensa portuguesa) - e "Olha Daisy: muitos Parabéns!" - assinada por António Laginha e apresentada em 12 de Junho de 1988 no Largo de São Carlos em Lisboa, onde o poeta nasceu, criado especialmente para as comemorações do primeiro centenário do seu nascimento, com música do grupo português Telectu e das Vozes Búlgaras -, terá ficado a vontade de criar espaço para novas interpretações. Na última década do século vinte, em três anos consecutivos, os palcos da Fundação Gulbenkian serviram de enquadramento a trabalhos de dança inspirados na magnífica escrita de Pessoa.



Em 1991, a francesa Catherine Diverrès, apelidada de coreógrafa da intranquilidade pelo jornal Le Monde, tomando como referência directa o "Livro do Desassossego", traz a Lisboa "Concertino" (com música de Eiji Nakazawa). Citando um texto da própria coreógrafa, este trabalho poderia ser "um bailado sobre uma reunião de família ou então sobre a ligação de vários indivíduos para uma história comum. O dia e a noite de núpcias, um enterro, talvez o sonho de cada uma dessas personagens em que uma se encontrava no sonho da outra. Não sabemos quem está morto ou quem está vivo. Os acontecimentos de uma vida desfilam, como um cortejo de sensações, de imagens de uma infância nostálgica. A sensualidade dos perfumes e das cores que se soltam duma natureza próxima, a violência e o absurdo dos pesadelos". Parece, assim, que o porquê do movimento do bailarino (que Pina Baush afirma ser a sua verdadeira preocupação) ganha conteúdo, mesmo que na prática o efeito tenha ficado aquém do esperado ou do desejável, acentuando, como refere o crítico teatral Manuel João Gomes, "as dúvidas existentes relativas ao género dança-teatro" e resultando "Concertino", na opinião de Pinto Ribeiro, numa "obra plasticamente evocativa do propósito expressionista transformando--se, no decorrer do espectáculo, numa sucessão de estampas coreográficas a que falta, por vezes, uma razão necessária". No ano seguinte, em 1992, a Companhia de Pierre Deloche estreia em Portugal, país que o coreógrafo afirmou ser a sua pátria adoptiva, a peça "Tejalem". Tomando como ponto de partida a magia que o envolveu antes mesmo de conhecer a língua portuguesa e a coragem de cantores de tradição ancestral (música: Luís Pedro Faro e cantos tradicionais do Alentejo, pelo grupo coral da Vidigueira "Os Vindimadores"), procurou criar um bloco monolítico que encerrasse não só o carácter mítico e messiânico de "Mar Português", mas também a complementaridade entre homens e mulheres, expressa nas "longitudes/latitudes, profundezas/extensões, ancoragem/viagem, nau/espuma ondulatória. Como o encontro de dois mundos, de dois planetas". Assim, num espaço simbolicamente associado à roda do Zodíaco, percorre-se o caminho das doze estações/horas/cantos modulados pela constante flutuação entre cantores e bailarinos.



O antropólogo André Lepecki encreveu então: "o que vi cheirava a morte: morte de um mundo ainda coeso face à superficialidade espectral, vazia e asséptica da fragmentação ‘fin-de-siècle’. O coreógrafo não se apercebeu disso, a produção para a Sala Polivalente não foi mais que um acto de crime cultural". Nas palavras do jornalista António Melo, o resultado foi algo "ofensivo à dignidade do grupo coral em palco, confundindo-se no conjunto o Alentejo com a epopeia marítima portuguesa". Duas opiniões, por si só, reveladoras. Em 1993, Mary Fulkerson, co-directora e fundadora do Centro para a Nova Dança de Arnhem, Holanda, encontra a mesma sala remodelada e aí apresenta "Fausto", fruto de uma oficina de duas semanas com bailarinos portugueses. Parece que a heteronímia foi capaz de "confundir" vinte bailarinos, mesmo quando a sua concentração e esforço não pôde ser negada. Na altura, António Laginha escreveu a propósito da obra: "(...) o texto de Pessoa apareceu abordado de um modo não literal, fragmentado, enraizado em personagens mais ou menos imaginativas e vestidas com roupas que mais parecem desenterradas de um qualquer baú de família, como aquele que, periodicamente, nos tem brindado com inéditos do poeta da ‘Presença’. (...) na pele de figuras tão díspares como Cristo, Goethe, Maria e Ophélia (Queiróz), os jovens artistas embrenharam-se em histórias desconexas e metafóricas, utilizando movimentos do quotidiano (...) mais parecendo vinte personagens à procura de um autor".





Tudo vale a pena
O coreógrafo português João Fiadeiro apresentou, cerca de dois anos depois, também no Acarte (FCG), "O Desejo Ardente Deve Ser Acompanhado de Uma Vontade Firme" – uma peça que pretendia "falar da memória" (...) "ao falar dela, falaria do tempo" (...) "e das pessoas que encontramos pelo caminho e de como são sempre a mesma pessoa com rostos e nomes diferentes". Seria mesmo em Pessoa que Fiadeiro buscou inspiração? Também o Casino Estoril, uns tempos depois, investiria num trabalho de teatro musical, "Pessoa em Lisboa", em que as danças (da autoria do espanhol Javier Gomez e da inglesa Beverley Rolls), a música e o envolvimento cénico pretendiam "conviver com Fernando António Nogueira Pessoa". Durante muitos meses, portugueses e estrangeiros puderam assistir a um "hino" ao poeta e às várias pessoas que em si conviveram, numa Lisboa que se desfazia entre sonhos e pesadelos. Como se pode inferir, designadamente dos exemplos em presença, a interpretação da obra de Pessoa, assim como a de qualquer autor, é diversa. Como afirmava Catherine Diverrès numa entrevista a António Melo aquando da apresentação de "Concertino", o poeta é um "escritor eleito para o bailarino, devido à agudeza da sua percepção". E acrescentava, este "representa a consciência da consciência e todo o bailarino deve aprender que, antes do músculo, há o pensamento". Não será apenas ao bailarino que esta "consciência da consciência" diz respeito mas sem dúvida se trata de um meio ainda pouco explorado, tendo em conta a panóplia de emoções e ideias que podem ser dissecadas na obra de Pessoa. Ideias geniais parecem não ter sido levadas a bom termo, seja por limitações de viabilidade ou por incompatibilidade com o efeito desejado. Fica assim muito por desenvolver, um mundo novo por desvendar.



Em conclusão, todas as experiências coreográfica assinaladas – e eventualmente outras, que tenham escapado a esta listagem - tiveram a sua validade pelo enriquecimento que nos trazem, uma vez que são marcos vivos de vícios e caminhos a ter em conta na execução de obras posteriores, ou afinal, na persecução do ideal estético de cada indivíduo. (Valeu a pena? Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena, in Mensagem, X. Mar Portuguez) Todavia, não parece que seja possível "reanimar" o panorama da dança em Portugal, ou colmatar as lacunas nele existentes, através da "ofensa" ou "desvalorização" das experiências dos autores e de todos aqueles que vivem a dança. Num período em que se tende, cada vez mais, para o esvaziamento de rigor artístico e para a apetência pelo consumo de objectos de "marca", em detrimento do "encantamento" proporcionado pelo objecto em si, somente através do incentivo e do espirito crítico e criador se poderá evoluir. Pelo amor à arte. (O homem sonha, a obra nasce, in Mensagem, I. O Infante).

Lisa Coimbra Henriques
http://www.revistadadanca.pt/dancascompoesia.htm
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 11:29
link do post | favorito

Jim Jarmusch

Jim Jarmusch - Melancólica Independência
Cinema Estrangeiro / Realizadores
1ª Ed., Abr. 168 pg. 138 fotos p/b.
Filmografia. Rudolph Thome.
Organização: Luís Miguel Oliveira.
Textos: Geoff Andrew, Jonathan Rosenbaum, Luís Miguel Oliveira, Jim Jarmusch. Entrevista com Jim Jarmusch por Tod Lippy.
Concepção Gráfica: Luís Miguel Castro
publicado por Aufgang Luz Nebulosa às 11:20
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Camera

. Orientação Marítima

. Poema

. notas praticamente disper...

. Brand New Heartattack

. looks looks looks

. Rosa

. 3D antecipation

. 2007

. Some portraits

.arquivos

. Julho 2019

. Abril 2018

. Julho 2014

. Julho 2012

. Junho 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds